• Telefone: +55 16 3934-1055 / +55 16 3615 0055
  • E-mail: ferraz@ferrazmaquinas.com.br
Aplicação de líquidos na linha de peletização. | Portal R2S
30/01/2017

Diferente do sistema de extrusão, o peletizado se beneficia muito mais da aplicação de líquidos durante o processo de fabricação de ração.

Enquanto na extrusão buscamos melhorara a palatabilidade da ração pet com a aplicação de óleo e palatalizante, na ração pet temos uma infinidade de funções e vantagens produtivas que podemos alcançar durante o processo somente utilizando a adição de líquidos durante o processo produtivo.

Da mesma forma que classificamos as matérias primas como macro e micro ingredientes os líquidos na peletização podem ser classificados da mesma forma:

Macro Ingredientes:

  • Óleos: Soja, Girassol, Canola, Palma…;
  • Gorduras: Sebo Bovino, Gordura suína e Óleo de Peixe;
  • Vinhaça;
  • Melaço;
  • Formaldeídos;
  • Água (+ Surfactantes).

Micro ingredientes:

  • Acidificantes;
  • Enzimas;
  • Pigmentos;
  • Vitaminas;
  • Cloreto de Colina;
  • Aminoácidos: Metionina, Lisina;

Além da classificação de Macro ou micro ingredientes podemos classifica los quanto a função:

  • Aditivo Nutricional: (Vitaminas, Minerais, Aminoácidos);
  • Aditivos Tecnológicos: (Surfactantes, Umectantes, aglomerantes, conservantes, antioxidante);
  • Aditivos Sensoriais: (Corantes e Aromatizantes);
  • Aditivos Zootécnicos: (Enzimas, Pré e probióticos).

Para maiores informações no link abaixo esta o site do MAPA com IN 13 de 13/11/2004 onde trata sobre o assunto: http://sistemasweb.agricultura.gov.br/sislegis/action/detalhaAto.do?method=visualizarAtoPortalMapa&chave=133040692

Dentro do processo temos vários pontos de aplicação estarei listando os pontos de aplicação de alguns líquidos e o tipo de equipamento na qual é utilizado para esse fim.

Misturador de pás ou helicoides: Apesar de estarem defasadas, muitas fábricas de menor porte utilizam os misturadores de helicoide para fazerem a mistura das rações. E neles fazem a aplicação de líquidos como água, lisina, metionina e óleo dentro do misturador, nesses modelos de helicoide tem um retardo de tempo grande pelo fato de se estar injetando os líquidos e por esses equipamentos não terem agilidade e precisão de mistura durante o processo. O melhor sistema nesse caso é o misturador de pás com os bicos de injeção. Esse tipo de equipamento possui uma velocidade variável e ele pode agilizar o processo de mistura além de evitar a formação de grumos ou deixar produto preso na parede do misturador ou no eixo.

Outro tipo de líquido muito aplicado aqui são os aditivos tecnológicos que irão perfazer uma melhora no produto quando esse chegar na peletizadora, ele pode melhorar a gelatinização entre outras funções, esses mesmos produtos podem ser adicionados no pré condicionador da peletização.

Melaçador: O melaçador e utilizado para as pessoas que precisam de uma ração farelada com alto teor de melaço ou vinhaça muito utilizado para ração bovina, suínos e de equinos. Para aplicar esses tipos de produto é necessário se ter um melaçador de alta rotação para que o produto seja aplicado a uma quantidade considera e essa ração farelada não corra o risco de fazer torrões de ração e consequentemente travar o sistema entupindo o melaçador. Esse equipamento é como se fosse um pré-condicionador de uma peletizadora tubular, e como já dito anteriormente com um motor mais potente para que ele alcance uma rotação de 1600 RPM em média. Bicos de injeção podem ser adicionados ao longo do melaçador para que seja aplicado o liquido na ração farelada.

Pré-condicionador: Quando o produto chega a peletizadora normalmente ele já recebeu todos os aditivos nutricionais e nesse ponto ele normalmente recebe o que chamamos de aditivos tecnológicos, esses são usados para melhor o pelete dando melhor tenacidade e reduzindo a quantidade de pó no processo. Esses mesmo aditivos ajudam a preservar o equipamento abaixando a temperatura e lubrificando a matriz para ela tenha maior durabilidade.

Aqui podemos destacar aditivos para os seguintes efeitos:

  • Amidos: Melhora a gelatinização e evita a retrogração que é o efeito das moléculas de amidos se reajustarem e expulsarem a água dificultando a digestão dos animais e absorção dos nutrientes.
  • Lipídeos: São utilizados para evitar a oxidação da ração, por mais que essas sejam armazenadas em locais apropriados, e em embalagens próprias para evitar o contato com a luz e o oxigênio (principais causadores da oxidação), ainda sim temos muita ração a granel que sofre com esse problema e um aditivo tecnológico resolveria esse problema favorecendo um tempo extra para essa ração chegar ao consumidor final.
  • Proteínas: As proteínas tem que serem quebras a ponto de virarem aminoácidos e assim estarem com uma melhor disposição para que os animais possam absorver e utilizarem na composição e formação de tecidos. Sem um aditivo tecnológico essas proteínas podem desnaturar e estarem indisponíveis no momento do consumo da ração.
  • Fibras: E Por ultimo as fibras que precisam estar mais solúveis, o processo térmico já inicia esse processo de solubilização, mas os aditivos melhoram a taxa de solubilização das fibras e com isso melhorando a absorção de nutrientes dos animais.

 E por ultimo no fim da linha pode ser necessário colocar algum medicamento, óleo ou enzima que irá melhorar a digestibilidade ou absorção de nutrientes dos animais, nesse caso utilizamos um pré-condicionador com uma rotação mais baixa ou até mesmo uma rosca com pás com uma rotação mais lenta para fazer essa aplicação antes de enviar essa ração para ensaque. O ideal é retirar essa ração com uma temperatura por volta de 45ºC para que ao aplicar esses aditivos a ração absorva melhor eles deixando – os na parte mais interna da ração.

Outro sistema que utiliza aplicação de líquido no final da linha é a ração para cavalo, como produto tem que estar com uma quantidade entre 8 a 10% de melaço colocamos um sistema de melaçar em cima do silo de ensaque de forma que ao final do processo ele já caia dentro da ensacadeira para ser pesada e ensacada em seguida diminuindo o máximo a passagem do produto por outros equipamentos para não ter acumulo de sujeira por conta do melaço e facilitar a higienização.