• Telefone: +55 16 3934-1055 / +55 16 3615 0055
  • E-mail: ferraz@ferrazmaquinas.com.br
14/03/2019 Por Fonte: Pet Food Latinoamerica

Bolívia – Animais de Estimação, um negócio que cresce 6% ao ano e gera mais de US$ 15,5 milhões.

Tendência Bolívia: Diversas indústrias se aventuram na produção de alimentos para animais de estimação. Além disso, uma média de 50 clínicas veterinárias são abertas por ano em Santa Cruz, Bolívia.

Se torna cada vez mais distante o tempo em que cães e outros animais domésticos recebiam restos. Hoje muitas pessoas tratam seus animais de estimação como membros da família, fornecendo não apenas alimentos especiais, mas outros cuidados. O negócio de alimentos para animais de estimação cresce a uma taxa anual de 6% na América Latina, de acordo com o relatório da Euromonitor.

Prova disso é a importação de alimentos para animais, que aumentou 71,1% nos últimos cinco anos, passando de US$ 9,1 milhões em 2013 para US$ 15,5 milhões em 2018. Em setembro de 2018, as compras externas totalizaram US$ 12,6 milhões, segundo dados do Instituto Boliviano de Comércio Exterior (IBCE).

Outro indicador que confirma que o negócio de pets está em alta é o número de clínicas veterinárias que abriram em Santa Cruz nos últimos cinco anos. A Secretaria Municipal de Arrecadação (SER) concedeu licenças de operação para uma média de 50 clínicas por administração, entre 2013 e 2017.

As pessoas estão atualmente cuidando mais de seus animais de estimação, alimentando-os com rações secas ou cozinhando alimentos balanceados. Além disso, se preocupam com a quantidade que precisam fornecer, disse a doutora Nelly Vargas, proprietária de uma clínica veterinária com atendimento domiciliar.

Em Santa Cruz, duas em cada três famílias têm um animal de estimação, o que indica que há um mercado ainda a ser desenvolvido. As clínicas veterinárias são mais valorizadas porque as pessoas estão cientes dos cuidados com os animais de estimação, explicou Claudia Rueda, gerente geral da empresa Pet Center.

Estatísticas da consultoria Euromonitor International mostram que o consumo de produtos para animais de estimação atingiu o valor de US$ 1,9 milhões, com um crescimento anual regular, podendo chegar a US$ 2 bilhões em 2022.

Na América Latina, o mercado cresceu para US$ 10.893 milhões, sendo a região acima da Ásia e Europa a que apresenta o maior progresso. Este ano, estima-se um crescimento de 2,2% na posse de animais de estimação (de acordo com o relatório da IBISWorld). E o crescimento é estimado entre 6% e 8% ao ano para a indústria de animais de estimação.

Produção nacional

A Avícola Sofía decidiu incursionar com sua marca Podium no mercado de alimentos balanceados para cães, devido a mais de quatro décadas de experiência na indústria alimentícia para humanos.

“Sabemos que os animais fazem parte da nossa família; continuamos com a promessa de continuar diversificando nossos produtos, apresentando opções mais inovadoras marcadas com o selo de qualidade da Sofia e garantindo uma experiência positiva para os nossos consumidores e agora para seus animais de estimação”, afirmou o gerente da Divisão de Projetos da Sofia, Julio Enrique Anglarill.

A empresa investiu US$ 4 milhões em pesquisa, tecnologia de ponta e a construção de uma planta industrial que espera produzir 900.000 quilos de alimento para animais de estimação para 2019.

Por sua vez, a empresa Proani produz alimentos para animais desde 1989, com as marcas Knino e Dog Hound, e Ktito para gatos, segundo Eduardo Serrano, gerente comercial da empresa. Atualmente, a planta Proani tem capacidade para produzir 2.500 toneladas de alimentos para animais por mês. A empresa pretende, a médio prazo, cobrir todo o mercado nacional e em seguida exportar seus produtos.

“O caminho da nossa empresa foi árduo e complexo; vinculado a animais de estimação, especialmente cães, que não faltavam nas casas, mas que cresceram comendo restos da mesa da família e sem cuidados especiais “, disse Serrano, referindo-se às motivações que levaram seus pais a se aventurarem neste negócio.

No país existem outras empresas que produzem alimentos para animais de estimação. Uma delas é a Gran Alimento, que elabora a marca Grotto. Na abertura de sua fábrica, em 2012, foram investidos US$ 9 milhões. E a Bolívia não está fora das tendências em relação a América Latina, com 7% supera em crescimento do negócio de alimentos para animais de estimação os Estados Unidos (3%), Europa (4%) e Ásia (4%).

Serviços mais exigidos

Na empresa Pet Center, que possui três filiais em Santa Cruz, os tratamentos mais exigidos para animais de estimação são: salão de beleza e cabeleireiro. Além disso, há dois anos, tem havido um crescimento nos serviços de hotel e creche.

Uma pessoa pode gastar cerca de US$ 173 por mês por um cão pequeno e saudável. Isso inclui alimentação, banho e tosa, serviço de transporte, brinquedos, petiscos, roupas e antiparasitários preventivos, desde que o animal não esteja doente, disse Rueda. A Pet Center planeja, a médio prazo, abrir outra filial em Santa Cruz e expandir para a cidade de La Paz.

Política de convivência

A tendência de receber pessoas junto com seus animais de estimação está aumentando no mundo. A Bolívia não é a exceção e instituições como o Banco de Crédito BCP já possuem escritórios “pet friendly”, assim como é o caso de algumas cadeias gastronômicas.

“Sob a premissa de Ser menos como um Banco, ouvimos nossos clientes que pediram para realizar suas transações financeiras acompanhadas desses entes queridos”, explicou Miguel Solis, gerente de Gestão e Desenvolvimento Humano do Banco de Crédito BCP.

A iniciativa começou há três meses. Atualmente, a instituição financeira possui quatro agências ‘guau’ (duas em Santa Cruz, uma em La Paz e outra em Cochabamba) e espera em breve incorporar a tendência em mais duas agências. “Como parte deste aprendizado foi que decidimos iniciar um programa dentro do BCP, conscientizando nossos colaboradores sobre adoção e esterilização para evitar o abandono de animais de estimação”, disse Solis.

Em Santa Cruz, entre os negócios pioneiros que aceitam animais de estimação estão o Serendipity Café e a sorveteria Cuore di Latte, que desde meados de 2017 adotou a política que permite que as pessoas entrem com seus animais de estimação.

Recuperação de vendas globais

O setor de nutrição animal e o aumento do número de animais de estimação levaram a um aumento mundial nas vendas de produtos e serviços para o cuidado de animais de estimação, de até 14% em apenas cinco anos (entre 2012 e 2017), o que significa um crescimento global de US$ 13.000 milhões e vendas totais que excedem US$ 90.000 milhões, segundo a Euromonitor International. Esse aumento é ainda maior do que o de alimentos embalados para consumo humano e no México supera a alimentação infantil.

De acordo com o relatório, a taxa de crescimento anual da indústria de Pet Care foi influenciada pelos fortes aumentos em mercados como Brasil, Rússia, México e China.

Além disso, os EUA continuam sendo líder absoluto em termos de alimentos balanceados, com cerca de 45% dos negócios globais. Olhando para o futuro, a partir do projeto da Euromonitor International, as vendas de alimentos para animais de estimação na América Latina continuarão a crescer 5% ao ano e entre 2% e 3% ao ano nos EUA.

Fonte: Pet Food Latinoamerica