• Telefone: +55 16 3934-1055 / +55 16 3615 0055
  • E-mail: ferraz@ferrazmaquinas.com.br
02/09/2019
Imagem retirada de http://recontaai.com.br/2019/08/26/dia-internacional-dos-caes-brasil-e-o-2o-do-mundo-em-faturamento-do-mercado-pet/ Imagem retirada de http://recontaai.com.br/2019/08/26/dia-internacional-dos-caes-brasil-e-o-2o-do-mundo-em-faturamento-do-mercado-pet/

Tá todo mundo em crise, mas isso não vale pro mercado pet que, só em 2018, faturou R$ 20,3 bilhões entre saúde, cuidados gerais e comida. Os dados são da Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação (Abinpet).

Nós ocupamos o segundo lugar em faturamento, atrás apenas da China, e também o segundo lugar em número de animais: são 139,3 milhões de pets no país. Desse total, na dianteira, vêm cerca de 54 milhões de cachorros, ocupando lares e corações brasileiros.

A explicação pra esse mercado promissor mesmo em tempos de crise é simples: o envolvimento emocional dos tutores faz com que os gastos com pets sejam priorizados mesmo quando as contas da família estão apertadas.

Não compre, adote
E esse é um setor que, óbvio, movimenta muito a economia e ajuda positivamente na geração de empregos. A gigante Petz, que lidera o mercado brasileiro, deve terminar o ano com 116 unidades espalhadas por todas as regiões brasileiras e R$ 1,3 bilhão de receita. “Devemos ser a quinta ou sexta rede de pet shop do mundo em 2020”, diz Sergio Zimerman, presidente e fundador da Petz. Para isso, terá de ultrapassar a marca de US$ 1 bilhão para alcançar essa posição no ranking da Euromonitor.

Vale lembrar que, infelizmente, muito desse mercado é estimulado pela compra de cachorros de raça. Hoje, entre cães e gatos, estima-se que existam mais de 30 milhões de animais abandonados no Brasil. Por isso, faça as contas, encaixe direitinho no orçamento, e adote um doguíneo que precisa da sua ajuda.

fonte: Reconta Aí

Whatsapp