• Telefone: +55 16 3934-1055 / +55 16 3615 0055
  • E-mail: ferraz@ferrazmaquinas.com.br
10/11/2015

É óbvio que constatar que a eficiência de troca térmica desse radiador era tão baixa que a temperatura do produto no primeiro estágio de secagem mal alcançava 85°C.

Secadores verticais de contra fluxo são em geral mais eficientes no trabalho de secagem.

Um secador horizontal necessita de 3300 a 3500 BTUs para evaporar um kg de água. Isso quer dizer 30 a 33% mais energia térmica do que a necessária em um secador de contra fluxo.

Uma das “tendências” às quais referimos no início deste artigo é o aproveitamento total ou parcial do ar quente produzido pelo RESFRIADOR para auxiliar no trabalho de secagem, e é muito mais simples fazer isso em um secador de contra fluxo – desde que se utilize o recurso automação.

Por isso, a tendência de AUTOMAÇÃO de secadores é cada vez mais notada.

Por não terem tantas partes móveis, o custo de manutenção de um secador de contra fluxo é de apenas 25% do custo de manutenção de um secador horizontal.

 

Em se tratando de secadores de (por ex.) 12 ton/hora, o horizontal requer cerca de 96 horas/ano de paradas para manutenção, contra apenas 32 horas/ano do secador de contra fluxo. (Médias históricas nas empresas)

Adicionalmente, se voc~e está sendo obrigado a manter umidade do seu produto em 8% ou menos, para que a sua média de umidade fique em torno de 10%, e com atividade de água (Aw) sempre abaixo de 0,6, então é bom considerar que a sua próxima aquisição de secador seja um de contra fluxo, o qual consegue atingir valores de variação de umidade entre 0,5% e 1,0% no máximo.

É só fazer as contas ($$$) do que significa ter disponível para venda no ano pelo menos 1% adicional de produto, mantendo o mesmo custo de ingredientes e de processo.

Em um secador horizontal, mesmo equalizando bem a altura da camada de produto, é comum encontrarmos variação de umidade de até 2,5% entre um lado da esteira e o outro.

Embora seja um fato que os biscoitos se misturam e ocorra uma certa tendência de “migração de umidade” entre as partículas de produto, após serem armazenados, depois de um curto tempo os biscoitos que estiverem ainda acima de 0.6 de atividade de água, vão mofar, principalmente se foram submetidos às condições de “desafio” em ambientes de alta umidade – o que não é incomum nos principais mercados de produto pet, pois uma grande parte da população do Brasil se concentra nas imediações do litoral.

O tempo dirá em qual velocidade as tendências acima previstas se tornarão realidade irreversível –não é uma questão de “SE”, é “QUÃO RAPIDAMENTE” acontecerão.

Um abraço a todos e sucesso!

Fernando Raizer | jfraizer@gmail.com | Skype:Fernando.raizer1 

Revista PetFood