• Telefone: +55 16 3934-1055 / +55 16 3615 0055
  • E-mail: ferraz@ferrazmaquinas.com.br
24/05/2016
Imagem retirada de http://www.revistacaesegatos.com.br/pub/curuca/index2/?numero=201&edicao=9763#page/66 Imagem retirada de http://www.revistacaesegatos.com.br/pub/curuca/index2/?numero=201&edicao=9763#page/66

O HAC é um distúrbio associado às altas taxas de glicocorticóides no organismo. Entre as doenças endócrinas acometidas em cães, essa é a mais comum e em sua maioria acomete animais de meia idade e idosos. O surgimento do HAC pode ser atribuído a secreção inadequada do hormônio adrenocorticotrófico (ACTH), secreção inadequada pela adrenal, ou ainda pela própria administração iatrogênica de glicocorticoides. A maioria dos cães com síndrome de Cushing apresenta sinais que progridem lentamente e não são alarmantes para o proprietário, que os confunde com sinais de envelhecimento, até que se tornem graves. Mais informações em artigo completo na edição nº 201 da C&G VF. Acesse já. - See more at: http://www.caesegatos.com.br/exames-laboratoriais-sao-imprescindiveis-para-o-diagnostico-de-hiperadrenocorticismo/#sthash.DY6C7Air.dpuf

Confira a bibliografia utilizada pelos autores. ETTINGER, S.J.; FELDMAN, E.C. Hyperadrenocorticism.Textbook of Veterinary Internal Medicine.Sixth Edition.Elsever Saunders. 2005. p. 1592-1610. FELDMAN, E. C. Hiperadrenocorticismo. In: ETTINGER, S. J; FELDMAN, E. C. Tratado de medicinainternaveterinária. 4. Ed. São Paulo: Manole, 1997, p. 2123-76. LEAL, R.A.O. Abordagem ao diagnóstico do hiperadrenocorticismo canino: a importância dos testes funcionais – estudo retrospectivo de 8 casos clínicos. Dissertação (Mestrado em Medicina Veterinária) – Universidade Técnica de Lisboa, Faculdade de Medicina Veterinária, Lisboa 2008.  LIMA, V. G. Alterações laboratoriais ocasionadas pelo hiperadrenocorticismo em cães e gatos: uma revisão. Tese (Pós graduação em Patologia clínica veterinária) – Instituto Qualittas de pós graduação de medicina veterinária, Curso de patologia clínica veterinária, Rio de Janeiro 2008. LULICH J. P., OSBORNE C. A.:  Bacterial infections of the urinary tract. In ETTINGER S. J., FELDMAN E. C.,(eds): Textbook of veterinary internal medicine, 4th ed. Philadelphia, WB Saunders, 1995, 1775-1787. MOONEY, C. T.; PETERSON, M. E. Felinehyperthyroidism. Manual of Canine and Feline Endocrinology. 3 ed. Inglaterra: BSAVA, p. 95-111, 2004. NELSON, R. W.; COUTO, C. G.. Distúrbios da Glândula Adrenal. Medicina Interna de Pequenos Animais. 3º Edição, cap. 53, p.745-764, 2003. NELSON, R.W., COUTO, C.G. Distúrbios da glândula adrenal. In:____. (Ed.). Medicina interna de pequenos animais. 2ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2001. Cap 53, p.610633. NICHOLS, R.; PETERSON, M. E.; MULLEN, H. S.; GlândulasAdrenais.In: BICHARD, S. J. & SHERDING, R.G.. Manual Saunders. Clínica de Pequenos Animais. Editora ROCA, São Paulo, 1998.  OLIVEIRA, S.de. T., Transtornos dos Hormônios adrenais em cães, Disponível em:http://www6.ufrgs.br/bioquimica/posgrad/TMAD/transtornos_adrenal.pdf Acesso em: 18. Outubro. 2008. SGARB, M.F.V. Hiperadrenocorticismo canino. Tese (Pós graduação “Lato Sensu” em clínica médica de pequenos animais) – Universidade Castelo Branco, Pós reitoria de pesquisa e pós graduação, Ribeirão Preto 2006. Fonte: Redação Cães&Gatos VET FOOD. - See more at: http://www.caesegatos.com.br/exames-laboratoriais-sao-imprescindiveis-para-o-diagnostico-de-hiperadrenocorticismo/#sthash.DY6C7Air.dpuf