• Telefone: +55 16 3934-1055 / +55 16 3615 0055
  • E-mail: ferraz@ferrazmaquinas.com.br
14/09/2017

Os últimos anos trouxeram mudanças muito importantes tanto na forma de tratamento com os animais de estimação quanto na seleção de seus alimentos. Os proprietários de animais de estimação estão cada vez mais conscientes da necessidade de escolher alimentos com maiores benefícios nutricionais para oferecer a esses membros da família.

De acordo com um estudo realizado pela Nielsen, na América Latina há uma maior conscientização pelo consumo de alimentos saudáveis. Esse resultado deve-se principalmente ao fato de que nessa região há um número maior de jovens, responsáveis por liderarem as principais mudanças no consumo de alimentos.

O principal grupo liderando essas mudanças são os Millenials, pessoas nascidas entre 1980 e 2000. Millenials são aqueles que lideram os movimentos de não comprar animais, mas sim adota-los e são os principais protagonistas na humanização de animais de estimação. A humanização é um fenômeno liderado por um sub-segmento dos “Millenials” que ganhou força nos últimos anos, chamado DINKS pelo acrônimo em inglês, que significa renda dupla sem filhos. Como esses jovens casais não têm filhos, os animais de estimação passam a ocupar esse lugar dentro das famílias e grande parte da despesa está destinada a esses queridos membros.

Um estudo realizado pelo CONAPO, Conselho Nacional de População no México, descobriu que casais sem filhos aumentaram de 7,7% para 8,6% entre 2000 e 2005. Coincidentemente, o número de cães domésticos aumentou 20% desde 2000. Essa tendência é repetida por toda região, onde esse grupo de pessoas está adiando ou, em muitos casos, deixa de ter filhos. Este segmento da população, “Millenials”, tem uma relevância muito alta, pois espera-se que até o ano 2020, 70% da força de trabalho pertença a essa geração.

Na América Latina, 4 países concentram 94% da produção na região, na seguinte ordem; Brasil, México, Argentina e Chile, onde 65% dos compradores são mulheres e vale a pena destacar que 29% da compra de alimentos é Premium contra 21% da compra de alimentos padrão. Esta estatística ratifica o mencionado anteriormente quanto à preferência de um alimento de melhor qualidade para os animais de estimação. A despesa média anual de animais de estimação na América Latina pode chegar a US$1.000, distribuído em 66% apenas em alimentos, sendo o restante investido em saúde e estética.

Um estudo realizado nos Estados Unidos estabeleceu que, embora a preferência dos alimentos para animais de estimação fosse aquela que declarava ingredientes 100% naturais, o tipo de alimento que mostrou um crescimento mais representativo foi o holístico. Este tipo de alimento é feito apenas com ingredientes naturais de alta qualidade onde encontramos: carne desidratada, cereais, arroz pré-cozido, óleos vegetais, vitaminas, minerais e gorduras naturais entre outros. Estes alimentos são livres de corantes artificiais, conservantes, aditivos químicos, resíduos animais, em alguns casos o alimento é livre de glúten, livre de OGM, sem aglutinantes e aromas artificiais.

Para aqueles compradores focados na saúde, os principais atributos procurados nos alimentos são: omega 3, antioxidantes, prebióticos / probióticos, alimentos para adultos mais velhos, alimentos para controle de peso e alimentos formulados. No momento da compra dos Premiums, os atributos procurados são benefícios nas articulações, saúde cardiovascular, controle de peso e adultos mais velhos.

É importante atentar as tendências e mudanças vistas no mercado, embora a América Latina ainda seja um mercado incomparável e com muitas oportunidades, as preferências dos consumidores tendem a ser muito semelhantes às dos mercados desenvolvidos , o crescimento em breve deixará de ser proveniente de vendas a granel e alimentos econômicos e será dado na medida em que os produtores locais possam estabelecer uma clara diferenciação com benefícios tangíveis para competir com empresas multinacionais e conquistar a preferência dos consumidores.

Autor: Alejandro Romero Herrera, Diretor Geral, Zoo Inc.