• Telefone: +55 16 3934-1055 / +55 16 3615 0055
  • E-mail: ferraz@ferrazmaquinas.com.br
16/11/2016

Se depender dos frigoríficos brasileiros, a retomada dos investimentos no país não acontecerá antes de 2018. Com o consumidor combalido, os custos de produção nas alturas e um real que teima em tirar rentabilidade das exportações, a indústria de carnes dificilmente desengavetará os projetos de expansão tão cedo. Enquanto no setor de carne de frango há muita capacidade ociosa para ocupar, dado o drástico corte na produção feito desde julho para contornar os impactos negativos da alta dos preços do milho, no setor de carne bovina há dezenas de frigoríficos fechados desde o ano passado.

"Há muita capacidade que a gente precisa preencher [antes de investir]", admitiu a presidente da JBS Foods, Joanita Karoleski, em entrevista em Paris no mês passado, durante o Salão Internacional de Alimentação (Sial). Mas reduzir a ociosidade depende, entre outras coisas, da recomposição da safra brasileira de milho. Para ela, isso tende a acontecer no segundo semestre de 2017, com a colheita da safrinha do cereal. Se tudo correr bem, a produção de frango do país iniciaria uma recuperação gradual a partir de então. A avaliação é corroborada pela gaúcha Alibem Alimentos, que tem dois abatedouros de suínos. De acordo com o diretor­superintendente da companhia, José Roberto Goulart, o consumo de carnes pode se recuperar no próximo ano. No entanto, isso não é suficiente para a empresa retomar os investimentos.

Em Paris, o diretor comercial da catarinense Aurora Alimentos, Leomar Somensi, disse que a retomada também ficará para 2018. Afetada pela disparada do milho, a cooperativa vem adotando desde julho um sistema de rodízio de férias coletivas. A cada mês, um abatedouro diferente é paralisado, reduzindo a produção de carne de frango em 8% sobre o que vinha sendo produzido. Em tese, o sistema de rodízio, que evita demissões, seria mais propício para retomar a atividade rapidamente, mas Somensi crê que a recuperação será demorada. Também na Aurora, é o milho que dita as regras.

Embora tenha uma dinâmica diferente de aves e suínos, dada a menor dependência de grãos, a indústria de carne bovina também trabalha com recuperação mais consistente em 2018, disse ao Valor o presidente do Frigol, Luciano Pascom.

Em sua avaliação, os abates devem ter crescimento moderado em 2017, mas só no ano seguinte a oferta de bovinos será boa o suficiente para impulsionar o setor. "Diria que é algo mais provável para 2018", concordou o presidente da JBS Mercosul, Miguel Gularte.

A lenta recuperação também fez o Frigol, que faturou quase R$ 1,3 bilhão no ano passado, engavetar o projeto de expansão pelo qual previa ingressar na área de carne de frango. "O negócio foi postergado", acrescentou Pascom.

"Não estou vendo nenhuma força maior de investimentos", afirmou o analista César Castro Alves, da MB Agro ­ braço da consultoria MB Associados. Segundo ele, as indústrias de aves e suínos estão em plena "ressaca" da fase mais crítica, quando as margens do setor chegaram ao vermelho devido à disparada dos preços do milho. "O tranco foi muito grande e ainda há sequelas", resumiu Alves.

Conforme a Associação Brasileira de Produtores de Pintos de Corte (Apinco), os alojamentos de pintos de corte ­ indicador da produção futura de carne de frango ­ caiu 10,36% em setembro ante igual intervalo de 2015, para 497,7 milhões de aves. Nesse cenário, a ociosidade das granjas cresceu. Segundo o secretário­executivo da Apinco, José Carlos Godoy, o setor está muito longe da capacidade total de alojamento, que é de cerca de 590 milhões de pintos de corte por mês. No auge da produção, em março de 2016, 560 milhões de aves foram alojadas.

Para o vice­presidente global de operações da JBS, Gilberto Tomazoni, que também esteve no Sial, as dificuldades enfrentadas neste ano pela indústria brasileira de carne de frango despertaram a atenção para a necessidade de mudanças estruturais no setor, dentre as quais a adoção das compras antecipadas de milho talvez seja a mais relevante.

Pegas no contrapé com a combinação entre a quebra da safra de milho e o intenso fluxo de exportações do cereal na primeira metade do ano, as empresas de aves e suínos tiveram de lidar com uma situação praticamente inédita: o milho brasileiro ficou caro demais, a ponto de concorrentes como Rússia e Ucrânia, pouco expressivos até então, ficarem mais competitivos que o Brasil no mercado internacional de frango. Para reverter esse cenário, não basta contar com a recomposição da safra brasileira de milho. "O mundo descobriu o milho do Brasil", disse Tomazoni. Na prática, se o cereal não for comprado antecipadamente, ele será exportado.

Além da necessidade de mudança na estratégia de aquisição de insumos, Tomazoni também reconheceu que a indústria brasileira é culpada pela sobre oferta de frango que inundou importadores relevantes na passagem de 2015 para este ano, derrubando os preços do produto. "Exportamos demais quando o dólar estava a R$ 4,00", afirmou. Com o dólar valorizado, a indústria podia até mesmo reduzir os preços da carne de frango em dólar que obtinha margens extremamente positivas. "Vendíamos frango no Oriente Médio a US$ 2,20 o quilo e passamos a vender por US$ 1,30", disse Tomazoni. No entanto, a depreciação do dólar mostrou que a competitividade brasileira era artificial. "Nunca haveria frango a US$ 1,30 se não fosse essa loucura da moeda. Você cria competitividade artificial de uma hora para outra".

Fonte: Valor Econômico