• Telefone: +55 16 3934-1055 / +55 16 3615 0055
  • E-mail: ferraz@ferrazmaquinas.com.br
24/06/2020
Imagem: Banco de Imagens Imagem: Banco de Imagens

O Brasil é um dos países onde as pessoas mais possuem animais de estimação no mundo. Cerca de 10% da população, ou seja, mais de 18 milhões de pessoas adotaram um pet, segundo a Organização Mundial da Saúde.

Ter um cachorro, gato ou qualquer bichinho dentro de casa em momentos como o da pandemia do novo coronavírus (Covid-19) significa ter uma companhia a mais para combater a solidão durante essa fase.

Os pets podem ser responsáveis por ajudar a melhorar o dia a dia das pessoas que estão em isolamento social, principalmente contribuindo com o lado emocional, combatendo sentimentos como ansiedade e depressão.

Hormônios
Mas como isso acontece? O convívio pode liberar ao menos dois hormônios importantes para regular o organismo: a serotonina e a endorfina.

O primeiro é responsável por regular o humor. A partir da relação entre tutores e pets, é esse hormônio que ajudará na redução da sensação de carência, promovendo também o relaxamento. Já o segundo produz e libera a sensação de bem-estar, tão importante nessa fase.

Segundo especialistas, a relação entre tutores e animais de estimação diminui a sensação de solidão. Além disso, o convívio também ajuda a distrair a cabeça.

No caso dos cães, essa relação é ainda maior. De acordo com veterinários, os cachorros são os animais que mais sentem essa troca de empatia. Essa relação gera muito mais troca, e, portanto, mais sentimento. Tudo isso é sentido fisicamente.

fonte: O Liberal, com informações da Agência Estado



Whatsapp