• Telefone: +55 16 3934-1055 / +55 16 3615 0055
  • E-mail: ferraz@ferrazmaquinas.com.br
24/11/2015

A Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação (Abinpet) revela dados da produção nacional de Pet Food (alimento completo industrializado) durante o ano de 2014. O levantamento mostra que a produção nacional ainda não chega à metade do seu potencial estimado. No entanto, o quadro geral do setor é positivo, já que este ano o mercado pet deve crescer 7,4% sobre 2014, o que significa um valor de R$ 17,9 bilhões de faturamento dos segmentos Pet Food, Pet Vet, Pet Serv e Pet Care.

Especificamente em relação ao alimento para animais de estimação, o potencial ainda de 2014 foi de 5,7 milhões de toneladas, mas o país fabricou menos da metade, 43,1%, o que representa 2,46 milhões de tonelada. "Isso mostra que precisamos continuar estimulando o mercado, e divulgar os benefícios da comida industrializada, que possui todos os nutrientes e minerais diários necessários para o animal", explica o presidente executivo da entidade, José Edson Galvão de França.

No Brasil, os cinco estados mais representativos para produção de alimento para animais são, respectivamente São Paulo (28,3% da produção nacional); Paraná (26,1%); Minas Gerais (15,4%); Rio Grande do Sul (7,5%) e Santa Catarina (5,3%).

Segundo a Abinpet, a projeção é que este ano o faturamento atinja os R$ 17,9 bilhões, um crescimento de 7,4% em relação ao ano passado. É cada vez maior a participação desse setor na economia nacional e, por isso, é parte relevante do agronegócio: em 2014, cerca de 66,9% do faturamento veio dos produtos para nutrição animal, cuja composição é 95% agropecuária, com elementos como milho, soja, arroz, trigo e carnes de aves, bovinos e peixes.Todos os produtos da indústria de alimentos e medicamentos veterinários são fiscalizados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, na Secretaria de Defesa Agropecuária (DFIP, DIPOA e Vigiagro).