• Telefone: +55 16 3934-1055 / +55 16 3615 0055
  • E-mail: ferraz@ferrazmaquinas.com.br
10/02/2017

O levantamento “Global Feed Survey”, realizado todo ano pela multinacional americana Alltech, empresa de nutrição animal presente em mais de 100 países, mostra pela primeira vez na história que a indústria global de ração produziu mais de um bilhão de toneladas. No ano passado, foram produzidas 1,032 bilhão de toneladas, aumento de 3,7% na comparação com as 995,6 milhões de toneladas produzidas em 2015. Desde a primeira edição da pesquisa, realizada em 2011, a produção mundial aumentou 161 milhões de toneladas, o que representa um crescimento de 19%, ou 2,95% por ano. O trabalho chamou atenção para o processo de consolidação da indústria de alimento animal, especialmente na China, país que lidera a produção global. No ano passado, havia 30 mil fábricas espalhadas pelo planeta, um número 7% abaixo das 32,3 mil unidades apontadas em 2015. “Na China, a concentração industrial do segmento foi ainda mais violenta nos últimos anos. Em apenas doze meses, o número de empresas no país asiático diminuiu cerca de 30%, passando de 8,5 mil unidades para 6 mil plantas. Mesmo assim, a produção chinesa de ração aumentou 4% em 2016, totalizando 187,2 milhões de toneladas”, informou o levantamento.

 

O segundo maior produtor de ração, Estados Unidos, também reduziu o número de unidades, embora em intensidade menor que a registrada pelos chineses. Segundo o estudo da Alltech, os americanos produziram ração em 5,9 mil unidades no ano passado, queda de 0,7% sobre as 6 mil de 2015. Na mesma base de comparação, a produção americana de ração caiu 2,3%, atingindo 169,69 milhões de toneladas. Líder nas exportações das carnes bovina e de frango, o Brasil também tem papel de destaque na indústria de ração, figurando na terceira posição entre os principais produtores. No ano passado, as 1,5 mil indústrias instaladas no país produziram 68,9 milhões de toneladas de ração, volume similar ao produzido em 2015. Não fosse a estiagem que atingiu as lavouras de milho na safra de inverno 2015 / 2016, o país poderia ter registrado avanço na produção. No primeiro semestre, quando a menor oferta de milho ainda não havia se refletido na criação de aves e suínos, a produção de ração no Brasil registrou um aumento de 3,2%, segundo o Sindicato Nacional da Indústria de Alimentação Animal (Sindirações). Na segunda metade do ano, porém, esse crescimento foi anulado pelo profundo corte na produção de carne de frango.

Principal destino da produção de ração no Brasil, a avicultura também é o setor que mais consome ração em nível mundial, totalizando 451,6 milhões de toneladas, mais de 40% da produção total de ração. No ano passado, a produção de ração para suínos alcançou 272,4 milhões, mais de 25% da produção global. O levantamento também aponta que o volume de ração produzido para abastecer a criação de ruminantes (gado bovino de corte e de leite) chegou a 221,1 milhões de toneladas, 21% da produção global.

PRINCIPAIS PAÍSES PRODUTORES

# China: 187,2 milhões de toneladas
# EUA: 169,9 milhões de toneladas
# Brasil: 68,93 milhões de toneladas
# México: 33,88 milhões de toneladas
# Espanha: 31,85 milhões de toneladas
# Índia: 31,36 milhões de toneladas
# Rússia: 29,09 milhões de toneladas
# Alemanha: 24,49 milhões de toneladas
# Japão: 23,99 milhões de toneladas
# França: 23,45 milhões de toneladas

PRODUÇÃO POR SEGMENTO

# Aves: 43,99%
# Suínos: 26,5%
# Ruminantes: 21,45%

PRODUÇÃO MUNDIAL

# 2015: 995,6 milhões de toneladas
# 2016: 1,032 milhões de toneladas
# Aumento de 3,7%
# Crescimento de 161 milhões de toneladas desde 2011
# 19% de elevação no período | 2,95% ao ano

CONCENTRAÇÃO NO SEGMENTO | 2015 – 2016

# Mundo: 30 mil unidades – 32,3 mil unidades (- 7%)
# China: 8,5 mil unidades – 6 mil unidades (- 30%)
# Estados Unidos: 6 mil unidades – 5,9 mil unidades (- 0,7%)

Fonte: Pork World