• Telefone: +55 16 3934-1055 / +55 16 3615 0055
  • E-mail: ferraz@ferrazmaquinas.com.br
07/07/2016

De acordo com previsões da Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação (Abinpet, São Paulo/SP), o setor pet no Brasil deverá atingir um faturamento de R$19,2 bilhões até o fim de 2016. Trata-se de um crescimento de 6,7% em comparação a 2015. Aparentemente positivo, ele mostra uma queda, uma vez que em 2015 essa taxa foi de 7,6%. Dados da Abinpet também revelam exportações realizadas da ordem de US$ FOB 47 milhões e importações de pet food de US$ FOB 734 mil no primeiro trimestre de 2016.

A entidade projeta um aumento em 2016 de 2,5% no volume de pet food produzido em relação ao ano passado, ou seja, um montante de 2,59 milhões de toneladas, considerando a fabricação de 600 mil toneladas no primeiro trimestre deste ano.

O leve aumento esperado não revela um cenário positivo, considerando o potencial brasileiro de produção de 7,35 milhões de toneladas por ano. “É preciso que o Governo brasileiro entenda a importância do setor pet para a economia e diminua os tributos, para incentivar o consumo e, por consequência, os investimentos da indústria. Em paralelo, a Abinpet trabalha para divulgar os benefícios do alimento processado, o único que garante com segurança todos os nutrientes e minerais diários necessários para o animal”, afirma o presidente Executivo da Abinpet, José Edson Galvão de França.

Apesar da estimativa positiva, a entidade considera que não há desenvolvimento real do mercado. O aumento do preço das matérias-primas agropecuárias (milho, soja, arroz, trigo e carnes de aves, bovinos e peixes), que compõem 95% do alimento pet, impacta o custo final, atingindo o consumidor. Em cada alimento embalado incidem 51,2% de impostos – entre IPI, ICMS-ST, Pis/Cofins. Portanto, a cada R$ 1 gasto com alimento completo, R$ 0,51 são de impostos. Desse modo, a carga tributária continua sendo um dos maiores entraves para o setor.

De acordo com dados da consultoria de pesquisa de mercado Euromonitor, em 2015, o Brasil foi o terceiro maior mercado pet do mundo, representando 5,3% do volume total de faturamento, que chegou a US$ 102,2 bilhões. Os Estados Unidos foram os líderes, com 42%, e o Reino Unido foi o segundo colocado, com 6,7%. Para 2016, as projeções para o mercado mundial apontam uma alta de 1,5%. Com esse cálculo, o faturamento total chegaria a US$ 103,7 bilhões.

Fonte: Abinpet, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.