• Telefone: +55 16 3934-1055 / +55 16 3615 0055
  • E-mail: ferraz@ferrazmaquinas.com.br
08/03/2016
Imagem retirada de http://portalmelhoresamigos.com.br/relacoes-caninas-caes-podem-ser-amigos-de-outros-caes/ Imagem retirada de http://portalmelhoresamigos.com.br/relacoes-caninas-caes-podem-ser-amigos-de-outros-caes/

leia matéria aqui!

Não há dúvidas sobre a existência do afeto nos vínculos que se criam entre nós e nossos pets. Desde o primeiro instante de tutela de um bicho de estimação, tudo muda para melhor para nós e para eles.

Contudo, quem cuida de cães já deve ter matutado sobre a seguinte questão: será que os cachorros são capazes de criar vínculos tão afetuosos e amistosos com seus semelhantes, outros cães?

Para tentar responder a esta pergunta, primeiro, temos que recorrer às teorias evolutivas…

Cães descendem de lobos selvagens, que nada tinham de sociáveis. Porém, depois de tantos séculos de domesticação, os cachorros foram condicionados e até manipulados geneticamente pelo homem para se tornarem seres do maior nível possível de socialização.

A nova configuração biogenética canina fez com que estes animais tivessem dentro de si o potencial para criar vínculos positivos com qualquer tipo de ser vivo – independente da espécie. Então, não só os cães têm a tendência natural de “fazer amizades” com outros cães, como também são potenciais amigos de todo o mundo.

Daí, você pode dizer que conhece um cachorro que odeia outros bichos e só se dá bem com humanos. Isso se deve ao fato dos animais possuírem temperamentos variados e existirem outros inúmeros fatores psicológicos e sociais que influenciam no comportamento do cãozinho – como o sentimento de posse e a ansiedade por separação. Aliás, é muito provável que este modo operante deste cão esteja sendo reforçado pelo tutor de alguma forma, consciente ou não.

Contudo, quando os cães sociáveis se relacionam em um ambiente essencialmente canino – como um parque ou uma creche – é muito comum eles se “transformarem” em verdadeiras crianças, comportando-se como filhotes que correm, pulam e fazem estripulias. Normalmente, este tipo de comportamento contagia outros cachorros com habilidades sociais afloradas.

Existem, ainda, casos que vão além dessa “amizade de clube” em que são criados laços muito fortes com um incrível senso de cuidado e proteção – vide alguns vídeos que circularam pela internet mostrando cães, literalmente, parando o trânsito para ajudar seu companheiro canino machucado. É uma amizade calcada no senso coletivo, de bem-estar da matilha.

Por outro lado, o que há entre nós e nossos cães está mais para uma relação de mãe e filho do que de amigos. Claro que o sentimento amistoso está presente, mas ele não é a base deste relacionamento, já que o vínculo do tutor com seu pet se constrói sobre uma hierarquia e necessidade de liderança – lembre-se que o novo líder da matilha somos nós.

Em suma, os cachorros possuem uma necessidade social natural e nascem para serem camaradas de alguma outra criatura, seja ela humana, canina e até alienígena. E é por este e tantos outros motivos que não tem como não amá-los!

Por: Paula Soncela