• Telefone: +55 16 3934-1055 / +55 16 3615 0055
  • E-mail: ferraz@ferrazmaquinas.com.br
19/12/2016

Rafael Resende

Vou montar uma fábrica de ração, por onde devo começar?

Antes de começarmos gostaria de me apresentar. Eu me chamo Rafael, sou Engenheiro de Alimentos, formado pela FAZU – Faculdade Associada de Uberaba, tenho 33 anos e há dez anos trabalho com projetos de fábricas para alimentação animal e humana. Também tenho experiência no desenvolvimento de produtos e controle de qualidade. 

Ao longo dessa minha caminhada, quando atendo um cliente ouço frequentemente a mesma pergunta: “Vou montar uma fábrica de ração, por onde devo começar?”.

A resposta mais simples seria dizer que é pelo plano de negócio, Canvas, SEBRAE, ou qualquer uma das opções que são oferecidos nos programas de televisão e na internet.
Mas somos brasileiros e gostamos mais de executar e pouco de planejar, acreditamos que tudo vai dar certo e damos corpo aos nossos sonhos. A falta de conhecimento do mercado é um dos maiores obstáculos para quem tem interesse de montar uma fábrica de ração.

Como estou na posição de vendedor, não posso jogar um balde de água fria no cliente e pedir que ele faça todo um anteprojeto, o que muitas vezes sem orientação, vai leva-lo a um resultado errôneo.

Então já temos nosso primeiro conselho: “Busque empresas que o auxiliem em sua caminhada”. Toda empresa tem que vender e os vendedores têm por obrigação trazer lucro para a empresa, mas existem dois tipos de lucros o real e o ilusório. Explico:
Lucro real: É quando a empresa vende a parte dela e ainda orienta o cliente para que ele possa comprar o que lhe falta a um preço mais baixo e indica bons profissionais para ajudá-lo com as formulações e compra de matéria prima de qualidade.
Lucro ilusório: É quando a empresa faz a venda, mas não orienta o cliente. Em 90% dos casos essa empresa é a que tem os melhores preços do mercado, mas nem sempre tem a melhor assistência e parceria com o cliente.

Meu segundo conselho para quem está começando é “Pesquise sobre a empresa”. A internet está a nosso serviço e é para isso que ela serve: FAZER PESQUISAS. Infelizmente, temos empresas no mercado que nem fabricam equipamentos e tão pouco são parceiras de empresas sérias e na euforia da realização de um sonho muitas pessoas acabam sendo enganadas e perdem suas economias em investimentos equivocados.

E como está o mercado? Esse vai muito bem obrigado, foram poucas as empresas que sofreram com a crise de 2016, o mercado pet passa por um crescimento de aproximadamente 7% nesse ano com um faturamento de R$ 19 bilhões. São 52 milhões de cães, 22 milhões de gatos cuja alimentação está cada vez mais baseada em rações balanceada, em detrimento das antigas sobras de comida. A bovinocultura tem como previsão de crescimento 20% nas exportações no próximo ano, a avicultura com previsão de crescimento de 22% nos próximos 10 anos e a piscicultura, essa sim vai crescer. Segundo a FAO - Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura, a América Latina terá um crescimento de 40% até 2025 e só o Brasil deve crescer 104%.

Já visualizando a área produtiva, mais especificamente a produção de proteína animal, possuímos sérios problemas. A logística está defasada, há problemas no abastecimento de matéria prima, as fábricas estão defasadas e com baixa produção industrial. Tudo isso encarece o preço do produto final. Pelo que tenho acompanhado no mercado, eu acredito que todas essas previsões de aumento se concretizarão e se não estivermos preparados iremos perder bons negócios e grandes contratos, por falta de ração no mercado.

Outro conselho muito importante é “ Atente-se à sua demanda energética”, esse é o um dos processos mais demorados a ser liberado.
Se a intenção de montar a fábrica de ração realmente existe procure a sua companhia energética e confirme se na região onde a fábrica será instalada há a possiblidade de trabalhar com tensão 220v ou 380v. Existem casos que o cliente deixou esse detalhe para ser resolvido no final do processo e precisou gastar elevadas somas para levar a energia até a empresa.

Voltando ao projeto da fábrica, veja se a empresa de quem você está comprando possui um plano de economia de energia. Às vezes projetos baratos escondem surpresas terríveis nas contas de energia. Há fábricas que tem consumo energético entre 1.000 – 1.800 HP por hora, sendo que bons projetos de fábricas preveem o consumo de somente 70-80% desse valor durante toda a jornada de trabalho. Todavia, um projeto com silos com alta capacidade de armazenamento reduz a jornada de trabalho no setor de dosagem, moagem e mistura, reduzindo o consumo de energia da fábrica.

“Tenha bons profissionais”. Você está realizando um alto investimento, investindo toda a economia de uma vida na realização de um sonho. Não deixe que esse sonho seja gerido por pessoas que não possuam mínima competência. Além de possuir uma boa equipe de chão de fábrica, um bom mecânico e um bom eletricista. Estamos lidando com máquinas e essas, quando não são bem cuidadas, param de trabalhar e nos deixam na mão quando mais precisamos. Quando uma empresa possui bons profissionais dificilmente ela ficará parada por falta de manutenção ou por uma quebra inesperada. Outro personagem importante aqui é o gerente, pois ele é a força motriz que vai guiar todo o pessoal. Atente-se para as habilidades que ele possui e dê preferência aos profissionais que já tenham uma vivência de chão de fábrica e sejam líderes.

E finalmente, se seu ramo for pet, tenha um posicionamento no mercado. Este ramo permite que se escolha uma estratégia de atuação no mercado. Em torno de 90% das empresas produzem ração combate. A partir daí e após a estabilização no mercado inicia-se um investimento maior, nas rações Standard, Premium e super Premium. Há ainda outros segmentos de rações tais como, as rações especiais para cães obesos, sênior, pequenas raças que são na maioria Premium, que ocupa um nicho de mercado diferenciado. Essa estratégia não atende aos outros setores bovinocultura, avicultura, porque esses ramos possuem uma variedade de ração que acompanha todas as etapas da vida do animal até o abate.

Uma demanda para o futuro são as rações com matérias primas diferenciadas. Hoje temos rações que, ao invés de utilizar farinha de carne, vísceras e sangue, utilizam farinha de insetos, que são boas fontes de aminoácidos, principalmente os essenciais. Pesquisas têm sido realizadas com outras fontes de amido, proteína, visando uma economia na produção e uma versatilidade dos produtos.

Apesar da explosão das fábricas de ração nos últimos anos, o mercado continua aberto para novas empresas, principalmente aquelas que se dedicam à pesquisa e inovação de produtos e processos.
O período no processo de construção de uma fábrica pode variar de quatro a doze meses até o seu funcionamento.
Seja o seu projeto grande ou pequeno, atente a esses detalhes, acredito que sua chance de sucesso será multiplicada.
Podemos continuar falando um pouco mais sobre esse assunto e tirar dúvidas, estou à disposição.

PUBLICAÇÃO EXCLUSIVA EDITORA STILO