• Telefone: +55 16 3934-1055 / +55 16 3615 0055
  • E-mail: ferraz@ferrazmaquinas.com.br
21/07/2021 Por Crédito de Imagens: Divulgação - Escrito ou enviado por Flávia Ferreira

Mesmo com valores de frete quase cinco vezes maiores que antes da pandemia e atrasos dos navios, ES Logistics prevê alta procura por transporte internacional

As empresas e indústrias brasileiras estão enfrentando grande dificuldade no transporte de insumos e mercadorias: com a paralização das operações em 2020, devido a pandemia da COVID-19, muitas rotas foram interrompidas e os containers, usados para transportar as mais diversas mercadorias, ficaram espalhados pelo mundo.

“Com as rotas interrompidas pela pandemia, houve uma desorganização no processo logístico mundial. E a alta demanda de medicamentos, mercadorias e equipamentos hospitalares impediu a volta da normalidade, fazendo com que muitos containers não voltassem mais para o Brasil”, explica o diretor da ES Logistics, Fabiano Ardigó.

Segundo o Ministério da Economia, a balança comercial registrou um superávit de US$ 9,291 bilhões em maio - o saldo positivo é registrado quando as exportações superam as importações. De acordo com o governo, esse é o maior superávit comercial para maio desde o início da série histórica do Ministério da Economia, em janeiro de 1989.

Com o mercado aquecido e a alta demanda, os custos também explodiram. Em janeiro desse ano, o frete da China para o porto de Santos chegou a US$9 mil – quase R$50 mil. “O valor é quase cinco vezes maior do que a tarifa cobrada normalmente, antes da pandemia”, explica Ardigó.

Além da alta dos preços, o atraso e mudança nas escalas dos navios não permitem um planejamento da produção do país. “Esse cenário impacta diretamente no valor final dos produtos, tanto nos importados quanto exportados. Muitos produtos estão à espera do embarque, porém demoram mais de três a quatro semanas para encontrar espaço nos containers e navios disponíveis”, afirma. “Os valores dos fretes estão aumentando mensalmente, e os orçamentos têm validade de dois a três dias, o que traz mais dificuldade para agendamento e programação dos fretes”, completa Ardigó.

A ES Logistics já está com uma grande demanda para exportação nos próximos meses. Especialista em afretamentos marítimos e aéreos, transporte de parques fabris completos e a movimentação de cargas superpesadas, a empresa registrou aumento de 100% no share nacional de embarques em 2020. A expectativa é aumentar o volume de containers negociado pela empresa em 30% até o final desse ano.

A ES Logistics faz parte do ranking dos maiores agentes de cargas do Brasil, ocupando o 10º colocado na importação e 8º lugar na exportação no país. A empresa é membro da rede de agentes independentes WCA, WCA PHARMA, CLC, certificação ISO 9001 e GDP (Good Distribution Practices)